sábado, 11 de julho de 2020

Considerações sobre o conto "A Queda da Casa de Usher", de Edgar Allan Poe


Conto: A Queda da Casa de Usher
Autor: Edgar Allan Poe
Ano de publicação: 1839




"[...]  Desde que pela primeira vez contemplei o edifício, uma sensação de tristeza insuportável permeou o meu espírito. [...]  Havia um enregelamento, um mal estar que desalentava coração, uma taciturnidade irreparável nos sentimentos, que nenhum aguilhão da mente poderia, mesmo à força de tortura, transformar em algo de sublime."


Assim é a sensação descrita pelo narrador do conto, que não tem o nome citado, ao se deparar com a velha Casa de Usher, antigo solar onde residem os únicos herdeiros da famigerada família Usher, os irmãos Roderick e Lady Madeline. Tais sensações se tornam ainda mais fortes quando ele percebe que aquela macambúzia edificação era a casa para a qual se destinava.



Um pequeno resumo da história

Roderick Usher vem sendo afetado por uma série de distúrbios que se manifestam sobre ele de várias formas: hipocondria; elevação extremada dos sentidos, que o deixa bastante vulnerável a fatores externos como luminosidade, ruídos e odores; certa perturbação mental, e ainda, sua aparência está bastante deformadaAcreditando que a presença do velho amigo poderia lhe trazer algum alento, Roderick o suplica, através de uma inesperada carta, para que venha passar algum tempo com ele, hospedado em sua velha casa.

Depois de uma longa viagem e de certo tempo de procura ao longo de terras áridas e remotas, o amigo de Roderick se depara com a velha Casa de Usher. Por mais que tente se desvencilhar das sensações desagradáveis anteriormente descritas, elas se tornam mais fortes a cada passo dado. Desde a lagoa de águas turvas nos arredores, passando pelas compridas janelas góticas sob a perspectiva do interior da mansão, até o momento em que finalmente se encontra com o enfermo, que se esforça para recebê-lo bem.


"Eu o observei com uma mistura de piedade e espanto. Sem dúvida, homem algum havia sido tão terrivelmente alterado, em um período tão curto, como Roderick Usher! [...]  Sua pele era de um tom cadavérico; os olhos grandes, líquidos e luminosos além de comparação; lábios um pouco estreitos e muito pálidos, mas com uma sinuosidade extremamente bela; o nariz hebraico, mas de modelo delicado, com as narinas de uma largura fora do comum [...],  cabelos macios e finos, mais delicados que teia de aranha; todas estas feições, aliadas a uma largura desusada acima das têmporas, compunham uma fisionomia difícil de esquecer."


Pouco depois de sua chegada, um trágico fato se sucede. Lady Madeline, que já há muito tempo sofria de um mal caracterizado por surtos catalépticos, acaba sucumbindo à enfermidade. Enquanto se esforça para tentar abrandar a tristeza que se apossa do amigo, o visitante o acompanha em diversas atividades artísticas, das quais brotam criações verdadeiramente medonhas que acabam por revelar a obscuridade da mente de Roderick.


"Uma idealização emocionada e altamente mórbida lançava um fulgor sulfuroso sobre todas as coisas. [...] As pinturas, geradas por sua elaborada fantasia, que cresciam, pincelada a pincelada, até formar criaturas vagas diante das quais eu tremia..."


Estranhamente, o corpo de Lady Madeline ainda não havia sido sepultado de maneira definitiva. Roderick informa o amigo que pretende conservar o corpo da irmã por quinze dias na cripta existente abaixo do solar, dentre outros pretextos, por causa da distância do cemitério da família. A impressão que temos nesse momento é de que ele teme que o túmulo da irmã possa ser violado. Então, incumbe o amigo a auxiliá-lo nessa missão, que é no mínimo inusitada: a de ajudá-lo a guardar o corpo na citada cripta, que coincidentemente está localizada logo abaixo de onde fica o quarto em que está hospedado, e parecia abandonada há muito tempo. Aparentemente, apenas o visitante sabe a respeito.

Passada uma semana após executar aquela macabra tarefa, as perturbações de Roderick demonstram sinais de piora, e como se não bastasse, o visitante começa a experimentar os primeiros sintomas daquele mal. Numa dessas noites atribuladas, o clima de terror é repentinamente intensificado por uma violenta tempestade. A insônia toma conta de ambos, e Roderick vai ao quarto do amigo, que tenta distraí-lo com a leitura de um livro que tem à mão (intitulado "Assembleia dos Loucos" na tradução de Willian Lagos), porém, o efeito é o contrário. Os sons descritos na história lida se tornam reais e ecoam de forma claramente audível pelos cômodos do casarão. Roderick faz uma revelação assustadora sobre a irmã, e uma sequência de perturbações leva à trágica elucidação da história.





A Casa de Usher e os seus mistérios


A Queda da Casa de Usher pode, num primeiro olhar, parecer se referir a decadência moral que tem o cenário da referida morada apenas como pano de fundo, mas vai além disso. A citação da casa no título não é meramente ilustrativa: ela assume grande importância no conto. É como se estivesse inteiramente impregnada com os segredos acumulados pela família Usher, e emanasse uma aura sombria capaz de afetar quem estivesse por perto, e sobretudo, quem vivesse entre suas paredes. Ela afeta até mesmo a região circunvizinha, que é árida, provavelmente teve toda a vida sugada por aquela edificação lúgubre.

Brevemente o narrador nos conta que os Usher são uma família muito antiga, com comportamento e tendências artísticas bem peculiares. Tal conduta parece ter sido a origem dos problemas da casa. Ela foi tão adoecida, que passou a adoecer também. Não há detalhes sobre como seria a relação entre os irmãos antes da chegada dele, algum interesse ou algo que servisse de pretexto para que Roderick tivesse cometido tal insanidade contra a irmã (atenção para o spoiler, pule a frase em cinza caso ainda não tenha lido: sepultá-la viva), nada além da própria loucura induzida pela casa, que parece ter tido as misteriosas relações entre seus antepassados como fonte de poder.


Uma bela representação da obra de Poe

Não é a toa que esse conto está entre os de maior relevância de Poe. Seu suspense está milimetricamente presente em todo o decorrer do conto, com descrições extremamente detalhadas dos ambientes, dos fenômenos, da aparência e dos sentimentos de seus personagens, tipicamente românticos. Tantos detalhes, somados a atmosfera sombria e a um vocabulário pomposo e profundo, dominam a leitura e nos carregam para dentro dela, projetando cenas, sons e angustia em nossas mentes. Indispensável.


***


Nenhum comentário:

Postar um comentário