quarta-feira, 21 de outubro de 2020

No meu acervo #01: coleção de fanzines do Metal Underground Brasileiro


Para começar as postagens da série No Meu Acervo, trago algo que sempre gostei muito de ler e faz parte da minha vida dentro do Metal Underground: os Fanzines.




Fanzines, ou simplesmente zines, são publicações elaboradas por apreciadores de um determinado assunto ou cultura, sejam eles amadores ou profissionais, geralmente de forma independente, por via impressa ou digital. A qualidade gráfica e o tipo da abordagem variam muito de publicação para publicação, e nelas o editor tem liberdade para explorar os temas de forma mais abrangente, dando espaço para nomes que geralmente não o teriam em meios especializados, nos quais os critérios muitas vezes obedecem a demandas comerciais. Várias edições que eu mostrarei aqui (de maneira resumida, pois a postagem será longa) são exemplos dessa vastidão.

domingo, 13 de setembro de 2020

Explorando variadas sonoridades: doze faixas instrumentais de diferentes bandas dentro do Heavy Metal


Algo que muito me agrada dentro do universo do Heavy Metal, que por si só já é bastante diversificado, é quando bandas incluem em seus álbuns faixas instrumentais que exploram diferentes sonoridades dentro do próprio estilo, ou agregam elementos de outros gêneros musicais.

Trago aqui uma singela lista com 12 dessas faixas. Não necessariamente faixas longas, e nem intros (essas virão numa postagem futura).  A ideia era não repetir bandas, mas tive que abrir uma exceção pro Death, porque realmente são excepcionais, e minhas duas favoritas, entre todas. Seguem:


1. Death - Cosmic Sea (Human)


sábado, 12 de setembro de 2020

As paredes brancas e os pedaços perdidos da própria história


Essa postagem tinha como objetivo primordial anunciar uma nova seção que será iniciada aqui no Recinto, chamada No Meu Acervo, em que irei mostrar e falar sobre itens diversos que possuo ou coleciono já há bastante tempo... Mas acabou se tornando um relato.




Paredes Brancas


Hoje em dia infelizmente já não tenho mais muitos dos objetos com os quais possuía uma ligação exclusivamente afetiva. Muitos anos atrás passei por várias transformações em busca de tentar redescobrir a mim mesma, e no meio desses processos, desfiz-me de muitas coisas.

sábado, 11 de julho de 2020

Considerações sobre o conto "A Queda da Casa de Usher", de Edgar Allan Poe


Conto: A Queda da Casa de Usher
Autor: Edgar Allan Poe
Ano de publicação: 1839




"[...]  Desde que pela primeira vez contemplei o edifício, uma sensação de tristeza insuportável permeou o meu espírito. [...]  Havia um enregelamento, um mal estar que desalentava coração, uma taciturnidade irreparável nos sentimentos, que nenhum aguilhão da mente poderia, mesmo à força de tortura, transformar em algo de sublime."


Assim é a sensação descrita pelo narrador do conto, que não tem o nome citado, ao se deparar com a velha Casa de Usher, antigo solar onde residem os únicos herdeiros da famigerada família Usher, os irmãos Roderick e Lady Madeline. Tais sensações se tornam ainda mais fortes quando ele percebe que aquela macambúzia edificação era a casa para a qual se destinava.