sábado, 11 de julho de 2020

Resenha do conto "A Queda da Casa de Usher", de Edgar Allan Poe


Conto: A Queda da Casa de Usher
Autor: Edgar Allan Poe
Ano de publicação: 1839




"[...]  Desde que pela primeira vez contemplei o edifício, uma sensação de tristeza insuportável permeou o meu espírito. [...]  Havia um enregelamento, um mal estar que desalentava coração, uma taciturnidade irreparável nos sentimentos, que nenhum aguilhão da mente poderia, mesmo à força de tortura, transformar em algo de sublime."


Assim é a sensação descrita pelo narrador do conto, que não tem o nome citado, ao se deparar com a velha Casa de Usher, antigo solar onde residem os únicos herdeiros da famigerada família Usher, os irmãos Roderick e Lady Madeline. Tais sensações se tornam ainda mais fortes quando ele percebe que aquela macambúzia edificação era a casa para a qual se destinava.


terça-feira, 30 de junho de 2020

Sobre o impactante Joker de 2019


Com todo esse tempo que levei para finalmente assistir Joker, já tinha, obviamente, ouvido vários comentários a respeito, porém, a surpresa era o tom com o qual as pessoas falavam: bastante carregado e austero, o que não é bem o esperado quando se trata de um filme sobre um personagem originário dos quadrinhos, ainda que seja o icônico Coringa, que já nos rendeu excelentes antagonistas no passado.




O Joker de 2019 vai muito além de qualquer coisa que já tenhamos visto sobre o universo da DC. Ele nos apresenta uma crítica social profunda, um protagonista envolto numa atmosfera densa e melancólica, vivendo numa Gotham City afundada na miséria, na sujeira, na desigualdade e no escárnio. O ano é 1981, porém o contexto é mais atual do que nunca.

quinta-feira, 21 de maio de 2020

Um pouco de Poesia Simbolista

Acho que posso dizer que o Simbolismo é a minha escola literária favorita. Talvez seja até possível ver traços de certa influencia em algumas coisas que escrevo. Desde os tempos de colégio, foram os seus poemas carregados de misticismo, obscuridade e sinestesia os que mais me marcaram e mais se fixaram na minha memória através dos tempos. E eles continuam presentes. Trago alguns:



Universalidade (Roberto de Mesquita)

Pensais que os ermos jazem em repouso
E são uns cemitérios desolados,
E que as cousas, assim como os finados,
Permanecem num sono tenebroso?

Não! As florestas de cerrada frança,
Quando as cruza o tropel louco dos ventos,
Soltam um mesto coro de lamentos
Em que se afligem almas sem esp'rança...

No Outono, quando o campo está doente,
À vibração suave das trindades,
Passa à tona das cousas, vagamente,
Um tribo de anônimas saudades...

Quando as vozes da vida desfalecem
E a paz é triste e vasta como o mar,
Cheia de graça, a Lua vem falar
Aos corações eleitos que a conhecem


terça-feira, 19 de maio de 2020

Audições de destaque durante o isolamento


A música é um dos grandes refúgios da minha alma. Sobretudo, a música pesada. Ela preenche os dias com sua capacidade de me fazer transitar por mundos paralelos e causar tantas sensações inexplicáveis.

E como não poderia deixar de ser, ela está sendo uma das grandes protagonistas dessa quarentena. De grandes bandas mundiais às profundidades do underground brasileiro...  Vamos transitar um pouco pelo que mais anda ressoando pelo meu Recinto...


Testament



Uma das bandas mais importantes da minha vida, e uma formação que é sem dúvida uma das melhores do mundo na cena Metal da atualidade. Músicos amadurecidos, plenamente em forma e em perfeita sintonia em suas composições e apresentações. Shows muito intensos, do início ao fim. Escolhas quase que sempre perfeitas para o setlist, geralmente com uma a duas faixas principais dos álbuns mais recentes, algumas lá do meião da discografia, e uma maravilhosa sequência de clássicos dos primeiros álbuns, até o The Ritual (desses acho que só o Souls of Black tem ficado de fora). Enfim, eu assisto quase todos os dias! 😍😄